Tag: arte

Um pouco de arte – Miho Hirano

Fuçando no We Heart It acabei encontrando pinturas de uma japonesa chamada Miho Hirano e me apaixonei. Na verdade não encontrei muito sobre ela (como não há um wikipedia?), então fico devendo a biografia. Por enquanto fiquem com as imagens. Enjoy.

clique aqui para mais imagens.

large miho2 miho4

Anúncios

Ano Novo Chinês chegando!

O Ano do Tigre de Metal tende a ser um ano dinâmico e expansivo, porém com resultados um tanto imprevisíveis. De um lado teremos a energia do metal que na visão oriental pode representar o ouro ou a espada. Como ouro simboliza a prosperidade e interação entre as pessoas. Como espada pode se tornar terrível e destrutivo. De outro lado teremos as características do signo animal Tigre: independente, autoconfiante, imprevisível, radical, apaixonado, excêntrico, que adora os desafios e persegue os seus ideais e interesses com muita determinação, atropelando o que estiver na frente. Sob essas energias, no ano do Tigre de Metal, as pessoas estarão mais imediatistas e arrojadas, em busca da própria realização. Tenderão a agir ao seu próprio modo, correndo riscos e desafiando as regras. A rebeldia estará no ar. Será um ano de novas tendências com muitas inovações e um toque de excentricidade, aonde as respostas para os problemas virão através de idéias não convencionais. O momento será favorável para renovar e injetar novo ânimo aos negócios e empreendimentos.  (Teresa Kam Teng)

Ainda não é Ano do Tigre (começa no Valentine’s Day, dia 14 de fevereiro, Lua Nova), mas já estou escrevendo porque a comemoração em São Paulo foi mais cedo. Espero que todos tenham podido prestigiar a festa na Liberdade!

Para quem não sabe, como eu era praticante de kung fu, todo ano estava lá empolgada e correndo de um lado pro outro para ajudar o pessoal da nossa academia de artes marciais – Núcleo 7 Esferas do Tao. Eu não sei se fiz um post sobre kung fu já, acho que não, mas eu tenho clara noção do quanto o kung fu é uma arte marcial maravilhosa e do quanto eu admiro o pessoal da academia. É incrível como na expressão e vivência de uma arte marcial as pessoas conseguem evoluir, se esforçar, criar disciplina e muitas virtudes, cuidar da saúde e da energia e expressar sua própria arte. É algo muito completo e leva toda a vida. Recomendo. Para quem quiser ver algumas das apresentações, clique aqui.

Bom, depois de toda propaganda (eu realmente amo artes marciais, mesmo não praticando por enquanto), desejo a todos muita consciência e boas escolhas no ano novo que se inicia.

"Jump! Jump! Jump on the tiger..." (citação a Holy Diver rsrsrs)

A arte que não sai…

Bom, agora é quase 1 da manhã e eu tô aqui no youtube vendo videozinhos das minhas cantoras favoritas. Não sei por que tem essa coisa que eu não consigo desgrudar, esse  vício pela música, pelo canto, pela arte expressada pela voz. Aaaargh!! Eu mesma não sabia o quanto eu gostava disso. Cresci vendo meus pais cantando, vi minha irmã cantando, e meu pai disse que ficou botando Beethoven pra eu ouvir quando eu era bebê sei lá pra quê, acho que era para eu não fazer loucuras, e eu joguei os relógios dele (um pela janela e outro pela privada)… Mas enfim, eu gosto tanto tanto de ver as pessoas cantando que tenho a maior vontade do mundo de aprender isso. E o mais irônico é que eu sempre fui tímida demais, travada demais, pra dentro demais, para conseguir botar algo para fora ainda mais pela voz. Acho que não tem jeito. O jeito é continuar me apaixonando pelas músicas, me emocionando ouvindo as cantoras que gosto, e estudando canto sempre para aos poucos conseguir colocar pra fora tudo que está dentro e está há 29 anos aí engasgado. Droga, por que eu não me apaixono pelo Direito, pela burocracia, pelos processos, pela vida fechada dentro de ambiente com ar condicionado, pelas coisas duras e chatas que eu vejo o dia todo? Eu vejo pessoas apaixonadas pelos processos!! Isso existe, juro. Mas a gente definitivamente não escolhe as coisas que apaixonam e emocionam a gente. Sacoooooooooo.

Música…

“A surdez de Beethoven não era uma deficiência. Foi uma dádiva dos Céus. Incapaz de escutar as vozes exteriores, estava em condições de ouvir dentro de si próprio a voz de Deus”.

 Vitaly Margulis (n. Charkov, Ucránia 1928)
 

O ritmo e a musicalidade de um poema, senão mesmo a vibração etérea da Ideia poética, irradiam da mesma Esfera que a poesia dos sons, a harmónica substância, o Verbo musical”.Cláudio Carneyro (n. Porto 1895; m. 1963)

Painkiller

Quando eu era mais nova e ainda existiam walkmans e fitas cassetes eu tinha uma fita cassete que eu chamava de “Painkiller”. Era uma coletânea de músicas que conseguiam acabar com qualquer desânimo e me deixavam mais feliz com o mundo. Com o tempo eu criei a fita “Morphine” também. E assim foi. Lembro que tinha músicas do Smashing Pumpkins: 33 por exemplo. E incrivelmente não lembro muito bem das outras!!

E por que eu lembrei disso? Hoje eu vim ouvindo no Iphone o cd da Hayley Westenra, “Hayley sings Japanese Songs”, acho que esse é o nome. E é incrível como esse cdzinho consegue deixar meu dia mais leve e feliz, mesmo sendo um dia chuvoso. Eu estava até feliz olhando os guarda-chuvas coloridos andando pela Vila Olímpia.

Bom, isso tudo é só pra gente não esquecer das coisas pequenas que fazem o dia fazer sentido. Pra mim, ouvir alguém cantando como a Hayley (e ainda mais  músicas tão delicadas como as japonesas) é das coisas mais bonitas e que me deixam mais feliz.

Heavy metal is the law

Ainda não conseguimos assistir até o final, mas quem puder assista ao documentário “Metal: a headbanger’s journey”. Fiquei muito feliz quando o Fau pegou e pena que a gente dormiu antes de terminar… mas vale a pena dar uma conferida. Por um lado, as pessoas que têm preconceito talvez possam abrir a cabeça. Por outro, quem gosta vai se identificar. Eu senti falta de referências maiores ao metal melódico e gótico, principalmente com vocais femininos líricos (até onde vimos falaram só do vocal gutural feminino), mas gostei bastante da idéia do cara.

O heavy metal, como um dos caras constata no documentário, é o tipo de música que as pessoas gostam, se apaixonam e gostam por muuito tempo, não é o tipo de coisa que vc enjoa e na semana seguinte está ouvindo outra coisa. Na verdade, o metal tem umas 500 características que valem a pena ser comentadas, pena que eu não vou poder escrever todas agora. Mas prometo que vou fazer mais posts sobre o heavy metal.

Pra mim o metal dá uma alegria e um conforto que poucas coisas dão. Quando preciso extravasar alguma raiva, funciona. Quando preciso ficar bem alegre, também funciona. Quando preciso de coisas fofinhas, ou estou num clima deprê, ou preciso de algo engraçado, tb tem. Tem referências profundas, superficiais, bobas, inteligentes, espirituais, gnósticas, satíricas, satânicas, românticas, é o máximo. Recomendo.