O perigo de querer se sentir sempre motivado

Por Carolina Nalon

Sentir motivação é ótimo.

Nada melhor do que estar motivado para começar ou terminar um projeto importante na vida, não é? Aquela energia forte da motivação que faz você acreditar que as coisas vão dar certo e que você tem que tentar.

Eu até concordo com isso, mas preciso dizer que não gosto muito de depender da motivação. Eu não acho que ela seja a chave que nos ajuda a fazer as coisas, aliás, quantas vezes você já não se sentiu motivada(o) e não fez nada à respeito?

Por isso eu fujo de treinamentos motivacionais. É tudo fogo de palha. E acho perigoso depender da motivação para agir.

Se fosse para esperar estar motivada para colocar minhas ideias no mundo acho que não teria feito nem metade dos meus projetos (eu tenho tanto carinho por eles <3). Na verdade, o ciclo de vida dos meus projetos é bem parecido com o ciclo de vida dos projetos do Austin Kleon:

A Vida de um Projeto

(Foto tirada do livro Roube como um artista de Austin Kleon)

Para mim o que funciona melhor do que motivação é pensar em consistência. Fazer um pouquinho todos os dias, independente de estar empolgada para fazer ou não.

Quando descobri que a consistência era uma chave mais importante que a motivação para mim, as coisas começaram a fazer mais sentido, afinal se eu fizesse um pouquinho todos os dias conseguiria muita mais do que se eu fizesse somente quando estivesse motivada.

Duas coisas importantes sobre se ter consistência

Depois que eu decidi me apoiar na ideia de ser consistente ao invés de querer ser motivada aprendi duas lições importantes sobre como ser consistente:

1. Saber o que é “um pouquinho”

Então eu havia adotado a ideia de que “o importante é fazer um pouquinho todos os dias” mas logo entendi que precisava deixar mais específico para mim o que era esse “pouquinho”. Antes eu escrevia coisas assim nas minhas listas de tarefas diárias: “escrever o livro”, “fazer projeto X”, “pesquisar sobre (qualquer assunto mega abrangente que você possa imaginar)”, só faltava eu escrever que queria dominar o mundo naquele dia também…

Ou seja, nada do que eu escrevia era um pouquinho. Depois de um tempo percebi que precisa quebrar essas atividades em pedacinhos, em coisas que pudessem ser factíveis em um dia. Hoje, por mais que eu ainda não tenha conseguido me livrar completamente das minhas tendências megalomaníacas cada vez mais minha lista de tarefas se torna uma lista possível, na qual eu escrevo coisas do tipo: escrever páginas X, Y e Z do livro ou fazer parte X do projeto.

Fica mais fácil fazer as coisas quando você determina claramente qual a atividade que precisa ser feita.

2. Empacou? Retoma sem culpa

E aí, é claro, sempre tem os dias em que você não consegue fazer nem esse pouquinho e fica se sentindo um lixo. E sabe o que acontece quando você se sente um lixo? Você não faz as coisas que deveria fazer porque está se sentindo mal, e depois se sente mal por não ter feito as coisas que deveria fazer. E assim você segue nesse ciclo bizarro e perigosamente sem fim.

A minha tática para sair dele é me perdoar rápido.

Entrei no limbo? Beleza, acontece, foram horas ou dias meio sombrios, mas ok. Bora recomeçar o ciclo que eu quero para minha vida. Não precisa nem ficar tanto tempo se perguntando porque você é desse jeito ou se criticando pelo tempo que você desperdiçou. O importante é em algum momento você dizer: nananina não!, do jeito que está não tá legal e eu vou fazer diferente agora. Fecha abas do browser, fecha o facebook, o whatsapp e volta para o foco.

Pensa assim: a natureza é cheia de ciclos e como você é parte dela é normal que você passe por fases mais ativas e por fases de recolhimento. Por isso, quando seus ciclos de consistência falharem preste atenção: do que você está precisando? O que será que vai te dar energia nesse momento?

Ficar atento a esses ciclos e determinar ser consistente pode te ajudar em todos os âmbitos: desde projetos de trabalho até para fazer exercícios físicos, estudos, práticas espirituais, enfim…todas essas coisas que sabemos que são saudáveis para nosso desenvolvimento e que deveriam fazer parte da nossa rotina.

É isso. Consistência. Quando a motivação vier será bem vinda, mas não é preciso depender dela.

Agindo assim você vai acabar se surpreendendo com o que você pode fazer.