Mês: janeiro 2010

Fragilidade, Natureza, Alegria e Amigos

Fiquei bastante tempo sem escrever, né? Estou em períodos de transição, mas logo as coisas se estabilizam! Eu estou com fé de que as coisas vão ficar sempre melhores! Logo trarei mais notícias, do ano novo, trabalho novo, planos e tudo mais! Todo dia estamos novinhos…

Agora o post é só para falar que matei a saudade enorme do mato e que o PETAR é um ótimo lugar para se visitar. Lindas cavernas, natureza linda. Enquanto o plano de manejo do parque não sai há váarias restrições sim e tudo se faz com guia, e seguindo várias regras. Mas no todo não acho ruim não, as cavernas são delicadas e merecem todo respeito do mundo, o impacto lá deve ser muito grande. A viagem nos mostrou que devemos ter muito cuidado e atenção em tudo que fazemos.

Na verdade a viagem me trouxe tantas coisas que não sei nem falar de tudo! O que posso resumir é:

1) Murphy atua anyway, mas não impede nossa diversão!

2) Nos momentos mais difíceis e zicados testamos nossa paciência, perseverança, força, leveza, bom humor e senso de companheirismo e amizade.

3) A vida é frágil, nós somos frágeis e, sim, tudo é passageiro.

4) A natureza merece muito respeito, reverência e cuidado, cada dia mais.

5) Obrigada, povo!!

Anúncios

A Bruxa Verde e a Bruxa Bonita

Based on the acclaimed novel by Gregory Maguire that re-imagined the stories and characters created by L. Frank Baum in ‘The Wonderful Wizard of Oz’, WICKED tells the incredible untold story of an unlikely but profound friendship between two girls who first meet as sorcery students. Their extraordinary adventures in Oz will ultimately see them fulfil their destinies as Glinda The Good and the Wicked Witch of the West.

A música de hoje é “Defying Gravity”, que a gente conheceu mais pelo GLEE do que pelo musical (Wicked), mas anyway é muito boa! Quero muito assistir o musical agora!

Something has changed within me
Something is not the same
I’m through with playing by the rules
Of someone else’s game
Too late for second-guessing
Too late to go back to sleep
It’s time to trust my instincts
Close my eyes: and leap!

It’s time to try
Defying gravity
I think I’ll try
Defying gravity
And you can’t pull me down!

GLINDA
Can’t I make you understand?
You’re having delusions of grandeur:

ELPHABA
I’m through accepting limits
”cause someone says they’re so
Some things I cannot change
But till I try, I’ll never know!
Too long I’ve been afraid of
Losing love I guess I’ve lost
Well, if that’s love
It comes at much too high a cost!
I’d sooner buy
Defying gravity
Kiss me goodbye
I’m defying gravity
And you can’t pull me down:
(spoken) Glinda – come with me. Think of what we could
do: together.

(sung) Unlimited
Together we’re unlimited
Together we’ll be the greatest team
There’s ever been
Glinda –
Dreams, the way we planned ‘em

GLINDA
If we work in tandem:

BOTH
There’s no fight we cannot win
Just you and I
Defying gravity
With you and I
Defying gravity

ELPHABA
They’ll never bring us down!
(spoken) Well? Are you coming?

GLINDA
I hope you’re happy
Now that you’re choosing this

ELPHABA
(spoken) You too
(sung) I hope it brings you bliss

BOTH
I really hope you get it
And you don’t live to regret it
I hope you’re happy in the end
I hope you’re happy, my friend:

ELPHABA So if you care to find me
Look to the western sky!
As someone told me lately:
“Ev’ryone deserves the chance to fly!”
And if I’m flying solo
At least I’m flying free
To those who’d ground me
Take a message back from me
Tell them how I am
Defying gravity
I’m flying high
Defying gravity
And soon I’ll match them in renown
And nobody in all of Oz
No Wizard that there is or was
Is ever gonna bring me down!

GLINDA
I hope you’re happy!

CITIZENS OF OZ
Look at her, she’s wicked!
Get her!

ELPHABA
:Bring me down!

CITIZENS OF OZ
No one mourns the wicked
So we’ve got to bring her

ELPHABA
Ahhh!

CITIZENS OF OZ
Down!


Open up the dirty window

“Staring at the blank page before you
Open up the dirty window
Let the sun illuminate the words
That you could not find
Reaching for something in the distance
So close you can almost taste it
Release your inhibitions

Feel the rain on your skin
No one else can feel it for you
Only you can let it in
No one else, no one else
Can speak the words on your lips
drench yourself in words unspoken
Live your life with arms wide open
Today is where your book begins

The rest is still unwritten…”

Essa é a música do dia!

Fale mal…

“Give so much time to the improvement of yourself that you have no time to criticize others”. (Christian Larson)

Hoje vou escrever de algo que vem me incomodando profundamente. Já que me incomoda tanto melhor pôr pra fora né? Eu tenho uma tendência a me incomodar muito quando vejo pessoas falando mal ou com raiva de outras pessoas ou coisas. Mas no geral o “falar mal” feito de maneira leve, irônica ou bem humorada não me incomodam. Afinal, existem maneiras e maneiras para se expressar uma opinião. O que mais me incomoda é quando as pessoas destilam veneno, falam das pessoas/coisas com desprezo, com nojo, raiva, sem respeito, com agressividade. De modo geral a agressividade gratuita me irrita muito.

Eu sempre tive uma admiração muito grande por pessoas que conseguem manter um diálogo sem criticar de maneira destrutiva ou sem falar mal de qualquer coisa num certo espaço de tempo. Existem pessoas que são pura positividade e leveza: conseguem ser engraçadas, criativas e divertidas sem destruir agressivamente nada, sem ter que se sentir superior a nada. E mesmo quando brincam com o defeito ou erro de outra pessoa, é quando a pessoa está presente e tudo é levado no bom humor. Afinal, a gente tem mais é que rir de tudo…

Acho que na verdade o “falar mal” às vezes cria uma atmosfera esquisita, ruim. A maioria das pessoas acha besteira, mas eu me sinto mal. E sim, isso é um defeito meu, porque eu não tenho que ser influenciada pelo veneno alheio. Mas que a energia fica péssima, isso fica. Eu preciso aprender a parar de absorver as coisas de fora, tendência do mal essa.

Mas, enfim, as pessoas vão dizer que quando alguém fala alguma coisa está falando de si mesma blá, blá, blá. Acho que pode ser sim! Afinal a gente só destila coisas ruins para fora se no nosso interior as coisas estão sujas e feias. Quem tem caca nos olhos, só vê o mundo cacado. Quem tem beleza nos olhos, só vê a beleza do mundo. Quando você está com raiva de si mesmo, fica com raiva de todo mundo.

“O que vemos não é o que vemos, senão o que somos” (R. Alves).

Então, é isso, deixa eu parar de falar mal das pessoas que falam mal! Eu só desejo que o mundo seja mais leve e agradável. Dizem os astrólogos que os librianos têm esse problema, eles gostam das coisas bonitas e detestam coisas de mau gosto, feias e desagradáveis. Mas é só uma questão de bom senso. Abaixo vai um trecho de um preceito budista (acho que é zen), para completar. Desejo boas palavras para todo mundo.

6. Eu decido não falar sobre as falhas de outros, mas sim ser compreensivo e solidário.

Este preceito deriva de nossos esforços para construir harmonia social e compreensão mútua. Declarações falsas e maliciosas, por sua própria natureza, são atos de alienação que originam-se de uma percepção ilusória de oposição entre “eu” e “outros”. Geralmente a injúria traz como conseqüências a dor para os outros, e a fragmentação para a Sangha. Quando surgir a intenção de injuriar, esforçar-se para compreender as raízes deste impulso já uma expressão deste preceito. E mesmo quando uma afirmação difamatória é consistente com os fatos, aqueles que se engajarem em criticismo gratuito podem ser feridos pela influência negativa que resulta do ato de falar de forma insistente nas falhas de outras pessoas.


Quais são os seus sonhos?

“All that we are is the result of what we have thought. The mind is everything. What we think, we become” ~Buddha

Sabe quando existe algo que você gosta tanto e você quer tanto que seu coração parece que acelera, de taanta vontade? Ou quando você sente uma alegria absurda dentro do peito, que dá vontade de sair berrando e pulando igual louco? É a melhor coisa sentir isso… E eu tenho a impressão de que isso tudo depende muito dos sonhos que a gente inventa e das coisas que a gente quer muito e das coisas que a gente ama demaaaais. Acho que vou me propor a todos os dias pensar nas coisas que eu quero demais e amo demais. Isso dá um up e uma vontade de sair correndo muito boa. Estou empolgada agora. Quem quer sair correndo comigo?

Algumas lições de 2009…

“If you don’t know where you are going you’ll end up someplace else”.

“Não se acostume com o que não o faz feliz. Revolte-se quando necessário.”

“Life isn’t about waiting for the storm to pass. It’s about learning to dance in the rain”.

“Cultivar o pensamento positivo, mesmo que para alguns pareça ilusório, realmente imuniza contra o mal e mantém a ligação com as fontes superiores da vida”.

“Para conquistar o autodomínio ou avançar na senda, é preciso ter um objetivo, focalizar e agir. Nada acontece obviamente com as almas mornas, tépidas, com as pessoas indecisas, sem rumo nem emoção por aquilo que se propõem a buscar ou que abandonam seus objetivos por falta de fé, de incentivo, de motivação”.

Feliz 2010!

Feliz Ano Novooo!!

Eu sempre adorei reveillón e anos novos… por causa da sensação de renovação e páginas em branco. Não que a gente não possa se renovar todos os dias ou todas as semanas, mas o ano novo tem uma sensação gostosa que eu não sei explicar. Quando eu era mais nova (lá pelos 15 anos) eu lembro que eu chegava super animada na escola às segundas-feiras. E simplesmente porque adorava novos começos e tinha a sensação de que as coisas estavam começando de novo. E na verdade acho que a gente deveria sentir isso todas as manhãs. E não ficar com aquela sensação de “droga, mais um dia da semana”. Difícil, né?

Mas pensando em 2009, foi um ano cheio de coisas boas mesmo. Apesar de eu ter tido problemas no trabalho (tive que pedir demissão duas vezes), foi um ano de mudanças importantes (casa nova, vida nova e amor!). Agora é a hora de reconstruir muitas coisas que ficaram largadas nos últimos anos todos. Quero muito cuidar mais do corpo+espírito, viajar mais, juntar dinheiro, cuidar das pessoas queridas. Além disso, quero voltar a dançar, aprender a falar inglês não de Brazilian Lion, trabalhar bastante e ficar perto da natureza mais vezes.

Este final de 2009 percebi de novo o QUANTO eu sinto falta da natureza. Eu preciso muito… assim como preciso do sol. Acho que não consigo ficar quieta só morando na cidade cinzenta. Parece que falta algo… Mas este ano resolvo isso. Viajar para ficar perto da natureza é muito mais barato e menos tumultuado do que estar nos grandes centros culturais e gastronômicos. Então, não posso inventar desculpas. Um ótimo início de ano para todo mundo!

May God give you…
For every storm, a rainbow,
For every tear, a smile,
For every care, a promise,
And a blessing in each trial.
For every problem life sends,
A faithful friend to share,
For every sigh, a sweet song,
And an answer for each prayer.