O amor pela arte… Parte I

“O futuro espera-nos com os seus males, mas enquanto houver a lua e a música, e amor e romance, escute a música e dance”.
Irving Berlin, 1888-1989

Eu confesso. Tenho um problema sério com a arte, principalmente com a música. Meu blog provavelmente terá muitos posts sobre música, arte, beleza, além de reflexões peculiares de uma pessoa noiada que frequenta 1 psiquiatra, 1 psicanalista e 1 cantoterapeuta! Aliás, não é à toa que eu amo Rubem Alves, ele é psicanalista também (entende os loucos) e um grande amante da música.

Procurando as raízes dessa dependência à arte, que não consigo afastar, penso na família e nos astros. Posso até explicar pela numerologia e pelas vidas passadas. Mas é muito mais simples dizer que todo ser humano simplesmente precisa de arte. Como já disse o RTZA: “Os místicos e os apaixonados concordam em que o amor não tem razões. Angelus Silésius, místico medieval, disse que ele é como a rosa: “A rosa não tem “porquês”. Ela floresce porque floresce”.” É isso aí, a rosa floresce porque floresce. E eu amo música porque amo. Oras. E quem não ama?

A família

Meus pais têm alma de artista. E queria saber se meus antepassados também tinham! Até onde sei minha bisavó tocava shamisen e era dançarina (ou algo assim). Meu avô do Japão tocava violino. Meu pai canta muito bem, tem uma super presença de palco, ótimo em pintura (e tocava cavaquinho: tem uma foto dele no navio tocando, vindo do Japão para o Brasil). Minha mãe é muito boa em canto, desenho e dança tradicional japonesa. Minha sister do meio, mezzosoprano, canta muito bem, também boa em pintura em óleo. Minha outra sister, outra apaixonada pela música, tocou órgão, teclado, violino e violoncelo. 

Só agora vejo que as festas de família poderiam virar saraus bem divertidos!

Na Parte II eu conto os traumas de infância!

751px-recreation-pearce-highsmith-detail-1

Anúncios

Um comentário sobre “O amor pela arte… Parte I

  1. Mas mesmo o RTZA escreveu uma vez: “A rosa que amamos pode deixar de florescer a despeito dos nossos mais sinceros esforços”.

    E ele justifica essa frase na possibilidade do amor ser apenas uma ilusão que se concretiza em maravilhosos e efêmeros momentos. Que os apaixonados gostariam que durasse uma eternidade, mas no fundo, sabem que a beleza está na saudade. #pseudofilosofia 😛

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s